Grito Rock 2013

Wesley cantando Tipo de rua

AFAL

Apresentação no Grito Rock 2013

FAMU 2012

Cantando À favela

FAMU 2012

"Quando sua vida mudar favela dirá amém, só não se esqueça do bairro pobre de onde veio"

terça-feira, 23 de outubro de 2012

1° Lugar do IV FAMU 2012


Prefeitura realiza a 4ª edição do Famu




Resultado:
1º Compositor Zilmar Esteves - A favela - intérprete Grupo AFAL
2º Compositor Ricardo Lage - Betty Blue – intérprete Banda Pesa Nervos
3º Compositor José Clodoaldo –Caminho das Sombras – intérprete Banda Chapéu de Paia
4º Compositor Ismar Ferraz –Por Essas e Outras – intérprete Ismar Ferraz
5º Compositor Celso Galvão –Minha Estrela - intérprete Celso Galvão
6º Compositor Pablo Bahia –Teu Olhar - intérprete Garboso
7º Compositor Anderson Lucas –Dedo Duro - intérprete Lady Lanne
8º Compositor Helmuth Mendonça – Entortações – intérprete Muth e Banda
9º Compositor Gerando Fleury – Morena Linda - intérprete Banda Oréganos
10º Compositor Vera Vitorino Valle – Veneno - intérprete Banda Gamini

AFAL - À favela part.Wine (Atividade Sonora)

À favela

AFAL

Abri a porta do barraco dia lindo,
Movimentação lá na frente os meninos,
Soltando pipa na manha sem avisar ninguém,
Por diversão “tranquilão” tudo bem,
Subir lá na tia antes que o pão “acaba”
Domingo de manhã é de lei a pelada,
Mais tarde o “churrascão”,
Marcado com os irmãos,
Trocar idéia do rep, da vila, “das produção”,
Muitos aqui da quebrada tem sonhos imortais,
Que nem o tempo com toda experiência é capaz,
De apagar,
Somente pode colaborar,
O dom de jah,
E dado pra aqueles que sabem usar,
Eu sei!
Em passos errados já caminhei,
A luta é diária não pense que descansei,
Se ajude pra você poder ajudar alguém,
Viva intensamente sem medo do que vem.
2x
Quando sua vida mudar favela dirá amem,
Só não se esqueça do bairro pobre de onde veio.
Mais uma vez eu dedico esse rep “prus” meus mano,
Que tá privado da liberdade a mais de ano,
Talvez nesse momento escutando esse rep,
Precisamos de vocês se não a favela perde,
Bastante trabalho pra gente ter só o básico,
Só da sobrevivência “memu” como escravo,
Quero te falar dos diamantes bruto aqui,
Soterrado de nãos e nãos e nenhum sim,
Então, a questão aqui é o talento natural,
Na bola, na música, nos “trampo” artesanal,
Mais quem da valor aqui é só a gente “memu”
Vendo os “rala” pesado outros passando veneno,
E de vez em quando um destaca, muda a rotina,
Consegue melhorias,
Pra sua família,
Alivio os “peré”,
É o que pega num é,
Só não se esqueça da favela que sempre aplaudiu de pé.
2x
Quando sua vida mudar favela dirá amem,
Só não se esqueça do bairro pobre de onde veio.
Ae muita paz a todos “memu” onde a paz não existe, jeová levará se realmente for isso que desejar, prepare seu coração porque convites virão, e se algum dia conseguir algo, não vire as costas para suas raízes, seja verdadeiro consigo mesmo à favela, à favela.
2x
Quando sua vida mudar favela dirá amem,
Só não se esqueça do bairro pobre de onde veio.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

À favela Clip Oficial

domingo, 16 de setembro de 2012

Real pátria

Real Pátria

AFAL

Real pátria
América latina para os latinos,
Simón Bolivar segregação do imperialismo,
a favela está morrendo e não é só o corpo,
sedentária consumidora desse mundo novo.
De aparências escolas televisivas,
proporcionado a miséria em dose coletiva,
desrespeitar professor aumenta o ego próprio,
engrossando as grades do pensamento, lógico!
a formação cultural de nossos semelhantes,
provém da força de vontade em batalhas grandes.
Um espelho próximo para ajeitar o uniforme
e seguir na caminhada desviando dos golpes,
e não ser massa de manobra com o pensamento curto,
escravizando o seu tempo sem colher nenhum fruto.
Uma engrenagem para o sistema financeiro,
que transforma sua felicidade em luxúria e dinheiro.
Erga a cabeça favelas o futuro é “nóis”!
A responsabilidade é que exalta heróis.
Que a essência do amor penetre em cada barraco,
porque justiça divina está vendo o seu trabalho.
Cada passo dado confiando em Jeová,
concretiza o itinerário para a vitória chegar.
Vem cá;
olhe para o vizinho e veja um soldado,
olhe a cor da camisa, situação, é do seu lado.
2X
Apenas um me leva a crer.
Um só país uma bandeira ter,
que represente nosso povo, nossa raça.
América Latina nossa real pátria.
É um efeito bumerangue;
crianças vendo sangue,
capitalismo errante,
ganha membros a todo instante,
a nossa fidelidade tem que falar mais alto,
compartilhar com três pessoas o seu único prato.
Não se vender,
a mídia que hipnotiza você.
Permanecer,
com sua identidade até morrer,
olha para você ver;
-Tem que estudar.
-Raciocinar.
-Tentar mudar.
“Maluco” vem cá!
Tenta quebrar,
a estatística quem vem para limitar,
os de cá.
E aponta dados frustrantes que subtrai sonhos,
e numa granja social reproduzem monstros
desinformados, afetados pelo capitalismo,
para ser fiel a família põe sua vida em risco.
Estamos perdendo a essência a cada minuto rodado.
Estamos perdendo semelhantes a cada copo virado.
E a favela segue sem discussão.
Movimento de rotação
em um eixo concreto do grande cidadão padrão,
casa trabalho, depois trabalho casa,
reduzindo sua liberdade em uma cultura escassa.
Sem lazer, sem ler,
doze horas no trabalho sem tempo para viver,
e os irmão que morreram lutando pela gente,
merecem um não imperialismo firme e consciente.
Pense!
2X
Apenas um me leva a crer.
Um só país uma bandeira ter,
que represente nosso povo, nossa raça.
América Latina nossa real pátria.


Ler ouvindo a música

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Livreto "O preço da resistência" Breve


segunda-feira, 28 de maio de 2012

AFAL - Guerrilha (2011)








01 - A periferia...
02 - Liberte-se part.Heri
03 - Aos poetas
04 - Guerrilha
05 - Ordem profética
06 - Acuerda pa la vida part.Negro T (Originários)
07 - Se não será em vão
08 - Passos + Loko do Cerrado & Nego Dé
09 - A vida acha saídas
10 - Real pátria
11 - À favela part.Wine (Ultimato)


MEDIAFIRE

sábado, 7 de janeiro de 2012

Caos (2008)

Caos

AFAL

Chile, brasil latinoamerica em el caos...
Sei como é,
Dificuldade não da pé,
Opressão da nação tá na ação vai na fé,
América latina vive um tema global,
A violência constante sobrecarrega o caos,
O mal causado pôr pessoas que saíram daqui,
Do seu voto com esperança de mudar isso ai,
Submetendo você a um teste de resistência,
De fome de violência,
E o nível de decadência,
Somado a inconsciência,
Vai aumentando a freqüência,
Do partido de bandido,
Sem parque sem carrinho,
Agrega os meninos,
Pôr falar nisso,
O morro do cachimbo,
É um exemplo pratico,
Do esquecimento partidário,
Formado,
Pelo safado,
Engomado,
Que com o nosso dinheiro comprou carro importado,
Que só aparece na favela em benefícios próprios,
Em campanha na caça de votos,
Enquanto o resto do ano vivemos na beira do ódio,
Criado pela má qualidade estrutural,
Formando morro, favela sem condição social,
Habitante fiel do barraco de madeira,
Fugir do aluguel e rala a noite inteira,
No outro dia tem favela nova que nasceu,
No apogeu,
No extremo limite da cidade,
De nome coletivo adaptado comunidade,
Na verdade,
Decisões são tomadas nada passa pôr aqui,
Regredir,
Progredir,
Não depende só de mim,
Em fim,
São pessoas,
Lutadoras guerreiras levada pela emissora,
São coisas tão tentadoras,
Tipo novela propagandas e outras,
É foda,
Saber que encomoda,
Saber que "nego" acomoda,
Vendo tv,
Nada pra fazer,
Já tá sem trampo umas horas,
E nem quer saber,
Porque,
Tá começando o programa que ele gosta,
E já vai ser,
Você,
O principio do caos,
Sem formação cultural,
Sem identidade um robozinho governamental,
E mal,
Dizimado pelo caos,
Social.
2x caos, américa latina num caos, pouca estrutura social, ar baby aqui dita o mal, caos.
Represento sudamerica,
A chile y a mi tierra,
Um caos social no perdona tu bandera,
Jovenes niños, hoy cuidan sus fronteras,
El trompo y las bolitas se cambiaron por las guerras,
Marchas y protestas se apoderan de la tierra,
Y la paz del mundo en la iglesia se prospera,
El gobierno huele a caca y las moscas lo rodean,
Aunque anden vestiditos,
De corbata com correa,
La gente se pregunta ¿que pasara?
Cuando el caos supere su nível actual,
Viviran, lucharan,
O talvez moriran,
Pero debe haber una salvacion,
Igualar a todos es la solucion,
Mejor renta para poblacion,
Menos plata para educacion,
Temen el mensaje de nuestra cancion,
Manipulan todo en esta nacion,
Con um simple rap caera la confusion,
De a poko se crea la masificacion...
Economia alterada saldo zero obriga o ser humano,
Sem estudo sem trampo,
Mano logo sai catando,
Tentando,
Buscando,
A vida mais fácil pra conseguir se levantar,
E caminhar,
Não pensou nas conseqüências e já formou família,
Problema social bastante discutido,
Todo mundo tem palavras mais ninguém da ouvidos,
A isso,
Sinto,
Que a industria de bandidos aumenta a cota,
Sempre no corre e você vira as costas,
Não acredita no jovem que começou no mercado de trabalho,
Estuda rala pra caralho,
Sem pegar atalho,
E logo é barrado,
Por nunca ter trabalhado,
É claro,
E quando entera cinquentão,
Não,
Ta na condição,
Irmão,
São,
Parte da exclusão,
Alimentando o caos pondo lenha na fogueira,
Patrocinando a guerra pra quem vive de sobra na feira.
2x caos, américa latina num caos, pouca estrutura social, ar baby aqui dita o mal, caos.

Ler ouvindo a música

Aos Poetas (2011)

Vou falar de coisa que acontece, vou falar de coisa que enlouquece,

Quando um poeta escreve e chora, é pouca coisa que consola,
Recordações relevantes que passam pela memória,
Itinerário de uma vida toda,
Caneta papel e vai surgindo coisas,
Se considera sábio,¬¬ então é sábio o bastante pra me compreender,
Que você sabe é sábio, tudo bem mais tem muito ainda que aprender,
Dizer coisas que ninguém chegou a pronunciar,
Fazer discípulos sábios prontos pra te escutar,
Jamais deixar, a ignorância falar, pro cê não complicar,
Mais é difícil né jhow,
Cê canta rap quase ninguém conhece é você mesmo que promove seu show,
Cê tá certo em seu corre, só desiste quem morre,
A vitoria gernima naquele que nasce pobre,
Então viva, viva! chega comigo e confira,
Talvez o que rima esperança tem a panela vazia,
Que lutou pagou a água agora vem a energia,
Encara de frente o cobrador porque odeia a mentira,
E a letra sai de acordo com a tristeza que eu sinto,
Cada um tem sua hora essa é a minha então me escuta amigo,
A humildade dos manos e das minas que sempre andou comigo,
Mais nessa hora a gente sente sozinho,
E a tristeza é saber que falta alguém no caminho,
Disfarça, tomando bira,
Fumaça, vê se alivia,
Na praça, e a noite vira,
Eu sinto falta de alguém, eu sei quem,
Mais preciso de alguém, pra me mostrar alem,
Do que minha mente limita,
Quando um poeta chora não é diferente de ninguém quando a tristeza fica.

Como eu queria me libertar de mim, de todos os prazeres que vão perecer, me leva, me cega, me tranca numa cela, eterna, que gera, guerra, de idéias, contra meu próprio ser.

Palavras pronunciadas e falta raciocínio,
Se tá certo ou errado quem te responde é o destino,
Quem vai ligar uma ponta rilex e deixar fluir,
Conversar normalmente quando o tuim vim,
É outro mundo meu bom,
A passagem pra esse muda um pouco de tom,
Num condeno não ninguém conhece o futuro,
Quem sabe um dia eu vou de ônibus pra esse mundo,
Mais a favela no momento necessita de ti,
Se ocê faltar no pelotão desequilibra pá nós progredir,
E as coisa vai continuar do jeito mais difícil,
Sendo enganado a culpa é do povo certo é o político,
Inversão de idéias assassinatos psicológicos,
Que te trás desanimo e cê sabendo que é óbvio,
Que existe um propósito,
Mais as vezes faz um reverso do lógico,
Latrocidas homicidas de raciocínio,
Sabedoria pra falar glorifica um caminho,
Se algum dia eu me contradizer, pode ser,
A morte da vários caminhos pra você escolher,
Sigo no certo talvez praticando o errado,
E o resultado, felizmente não foi antecipado,
Uma lagrima que desce simboliza muito,
Uma palavra carrega vários sentidos nesse mundo.

Como eu queria me libertar de mim, de todos os prazeres que vão perecer, me leva, me cega, me tranca numa cela, eterna, que gera, guerra, de idéias, contra meu próprio ser.

Controlar os sentimentos ninguém controla,
Mais entende-los te faz ter uma melhora,
Concordar com alguma coisa que alguém te fala,
Tem que muita certeza pra mente não ser cambiada,
Tá deixando a vida levar, como a morte quer,
Tudo é em prol de nada quando acaba a fé,
Sou apenas alma e matéria como você,
Tentando alguma coisa nessa vida pra sobreviver,
Preso, não se sua mente tá presa seu corpo vira refém,
Faz o mal insiste no mal pensando que tá bem,
Toda vez eu tiro um tempo e imagino,
Como tá meus truta trancado no presídio,
Lembranças vem, vem, lembranças vão também,
E vejo o mal fazendo o bem, pra te convencer porém,
Existe sempre um caminho se você perceber,
Dar um valor em você, parar pra ver,
As coisas pequenas que faz você viver,
Talvez o caminho pra felicidade a estrada seja um pouco distante,
Mas ame família e amigos e a luz será mais brilhante,
Um coração sem malicia entende meu semblante,
Quando um poeta chora pode ser um espelho não tanto como antes.

Como eu queria me libertar de mim, de todos os prazeres que vão perecer, me leva, me cega, me tranca numa cela, eterna, que gera, guerra, de idéias, contra meu próprio ser.


Ler ouvindo a música

Afrikamerikalatina (2008)

6X Latinoamericafrica...

AFrikAmerikaLatina meu lar,
Força a nosso povo muita fé pra caminhar,
Terceiro mundo tem favela e tem ?perifa?,
E nossa cultura popular tempera a vida,
Mais tá muito difícil de viver em paz,
Policia tá matando nosso povo ?pa carai?,
Mudança vai vim, talvez vai demorar,
Mais quem vai seguir os princípios ate lá,
Quem não se vender vivera,
E quem da mal exemplo um dia pagara,
Quem não se vender vivera,
E quem da mal exemplo um dia pagara.

6X Latinoamericafrica...


Ler ouvindo a música